Atravesse as pontes de pedra de Suzhou

Na foz de Rio Qiantang deságua outra obra megalômana. Com 1 800 quilômetros de extensão, o Grande Canal é o maior e mais antigo rio artificial do mundo, ligando Pequim — la no norte — com o Mar da China Oriental.

Foi construído no seculo 7, desta vez com mão de obra arregimentada pela dinastia Sui, para transportar mercadorias. Das cidades cortadas pelo canal, nenhuma se compara a Suzhou. A apena: uma hora de trem de alta velocidade de Hangzhou. tem quase metade da sua área coberta de água — o que a levou a ser chamada de “veneza do Oriente”.

A alcunha não existia na época do veneziano Marco Polo, que, exagerado, dizia que a cidade possuía 6 mil pontes de pedra. Mencionava, também, que os. habitantes -tem ricas sedas para vestuário”. Por aqui, ainda da para comprar seda 100% legitima, certificada pelos camaradas. Não se sabe se é a quantidade de água ou se são as casinhas antigas margeando os canais uma alegria só.

Os menores, mas Suzhou é noturnos grupos de dançarinos noturnos ganham número nas praias que beiram o canal, e as ruazinhas que se Paradas na porta de um dos vários restaurantes populares em Suzhou, duas garçonetes me atraem, munidas de um menu ilustrado e preços em números ocidentais.

Como e comum nesse tipo de estabelecimento, a fachada é quase toda tomada de aquários onde siris, lagostins e caranguejos esperam a hora de ir pra panela. “Fish, very delicious”, arranha uma delas, toda sorridente, apontando uma foto no menu. Opto por costelas de porco, “very delicious”, aprova ela. And rice.

Enquanto espero, chá. Ao lado, um rapaz trabalha num infinidade de comida — sopa, arroz, caranguejos com legumes… Nem dez minutos se passam e chega a minha mesa um prato com ameijoas miúdas, negras, mergulhadas num caldo de shoyu.

Entrada? Alguma cortesia? Mais difícil que descobrir o que tinha acontecido era saber como extrair os moluscos pela ínfima abertura. As duas coisas rapidamente são, solucionadas: atento, o vizinho de mesa orienta a garçonete a me explicar o que fazer (usar o palito de dentes), e ela, ao mesmo tempo, da a entender que o prato foi um engano. Era dele. Desculpo-me como posso, mas já estava feito. Todos riem, ele faz sinal de joinha, very delicious? Very. As costelas também estavam bem boas.